História infantil sobre boas ações

A história de hoje pode ser usada para falar sobre a importância de se fazer boas ações e o sentimento gostoso que isso traz!

Eu já contei essa história em escolas, creches, livrarias e outros locais (inclusive no Quintal da Cultura, da TV Cultura) para crianças de todas as idades e elas gostam muito, por isso posso dizer que é uma história que pode ser contada para qualquer idade.

Se você achar que deve adaptar algum elemento dessa história ao contá-la, fique à vontade. Eu gosto de deixar os contadores livres para adaptarem as minhas histórias, apenas citando meu nome como autora.

Dica: Após contar essa história, pergunte para as crianças como elas se sentem quando fazem algo bom para outras pessoas. Então pergunte quais boas ações elas podem fazer em casa, na escola, na rua, etc.

Deixe seu comentário abaixo para eu saber o que você achou e compartilhe com seus amigos no facebook, WhatsApp e onde mais você puder…

Miminha, a Fantasminha

Lívia Alencar

Era uma vez uma fantasminha que se chamava Miminha. Ela vivia no cemitério com sua mamãe fantasma e, sempre que via crianças aparecerem por lá, ficava com muita vontade de brincar com elas. Mas sua mãe sempre dizia:

– Miminha, minha filha, os humanos morrem de medo de fantasmas… as crianças nunca vão querer brincar com você!

Ao ouvir aquilo, Miminha ficava muito triste e deixava rolar umas lágrimas transparentes de seus olhinhos fantasmagóricos.

Certo dia, Miminha decidiu sair do cemitério à procura de alguém para brincar. Foi quando encontrou uma turma muito alegre de crianças que dançavam e cantavam cantigas de roda.

Ao ver as crianças, Miminha ficou tão animada que, do nada, apareceu na frente delas e perguntou bem alto: “Posso brincar com vocês?”

As crianças levaram um baita susto e saíram correndo e gritando por todos os lados: “Aaaahhh!!!”

Coitadinha da Miminha… ficou tão tristinha…

Mas não desistiu!

Foi até uma casa que havia por ali, olhou pela janela e viu algumas meninas brincando de boneca na sala. Entrou, aproximou-se devagarinho e dessa vez perguntou baixinho: “Posso brincar com vocês?”

As meninas arregalaram os olhos e gritaram ao mesmo tempo: “Manhêeee!!! Um fantasmaaaa!!!” E foi aquela correria!

Coitadinha da Miminha… ela só queria um amigo para brincar…

Depois de outras tentativas, Miminha percebeu que nunca conseguiria mesmo ser amiga de ninguém. Foi aí que um pensamento lhe ocorreu: “Já que todos tem medo de mim, eu vou começar a me divertir assustando as crianças!”

E foi isso que ela fez!

De dia e de noite Miminha saía do cemitério em busca de crianças para assustar. Entrava no meio de suas brincadeiras, derrubava seus brinquedos, batia portas, ficava dentro do guarda-roupa fazendo barulho à noite, se escondia embaixo da cama e aparecia de repente gritando “BUUUU!!!”, e muitas coisas mais.

Cada vez que as crianças gritavam de susto, Miminha gargalhava. Começou a gostar muito daquela brincadeira de assustar. Inventava sustos diferentes e estava ficando muito boa naquilo!

Até que, certa noite, Miminha entrou no quarto de um menino que estava deitado na cama acordado e já chegou assustando: “BUUUU!!!”

Mas o menino, ao invés de gritar, ficou parado olhando para ela.

Miminha gritou mais uma vez: “BUUUU!!!”

E o menino, nada…

Então Miminha perguntou: “Você não tem medo de mim?”

E o menino respondeu: “Por quê? Você não é meu anjo da guarda?”

Miminha nunca tinha ouvido falar de anjo da guarda, por isso fez uma careta engraçada.

E o menino explicou: “Minha mãe disse que sempre que eu estivesse com dificuldade para dormir ou com medo de alguma coisa, era só fazer uma oração pedindo ajuda e o meu anjinho da guarda viria me proteger.”

O coraçãozinho de fantasma de Miminha amoleceu. Ela quis entender mais sobre aquilo:

“E o que é que anjo da guarda faz?”

“Bem”, explicou o menino, “você pode cantar uma música de ninar para mim.”

E começou a cantar uma música que Miminha achou muito bonitinha. Ela aprendeu a cantar e foi cantando, cantando, cantando… até que o menino adormeceu!

Miminha se deu conta de que o sentimento que aquele momento lhe trouxe era muito melhor do que o que sentia ao assustar as crianças.

A partir daquela noite Miminha passou a visitar as crianças que não conseguiam dormir à noite e a cantar músicas de ninar para elas. As crianças ficavam amigas da Miminha e até brincavam com ela às vezes.

E foi assim que Miminha se tornou anjinho da guarda, ganhou muitos amigos e nunca mais assustou ninguém!

PIM PIM RI RI PIM PIM, ESSA HISTÓRIA CHEGOU AO FIM!

Gostou da história? Conte o que você achou nos comentários e compartilhe com seus amigos, por favor.

Ah, e você sabia que o meu E-Book Transforme Vidas Contando Histórias já é o E-Book de contação de histórias mais vendido do Brasil?

Clique abaixo e veja o que as pessoas estão falando sobre ele…

CLIQUE AQUI e DESCUBRA O QUE VOCÊ ENCONTRA NESSE E-BOOK

Sei que você vai adorar!

capa nova ebook

49 comentários em “História infantil sobre boas ações

  1. Pensando nas diferenças a história por ser direcionada para adultos e crianças, Para sensibilizá-los a respeito das diferenças, Amei!

    Curtir

  2. Lívia, adorei a história da Miminha. Acabei de me formar em Pedagogia e quero muito aprender a contar histórias com suas aulas. Muito obrigada.
    Abraço.

    Curtir

  3. Gosto de suas histórias porque vc as produz já pensando no contador de histórias não sendo necessário agente ficar modificando tanto.

    Curtir

  4. Amei.
    Contei essa historia para meus alunos, a Tutora de um aluno meu de inclusão gravou a minha aula.
    Estou fazendo o Curso Avançado e estou amando cada aula e dicas.

    Curtir

  5. Nossa que história legal.
    Parabéns Lívia por seu dom.
    Viajei em minha infância agora, quando não conseguia dormir e esperava que meu anjo da Guarda chegasse. *-*

    Curtir

  6. Olá, Lívia!
    Confesso que o início não estava achando boa a história de assustar, mas a virada surpreendente foi demais.
    Adorei!!!
    Que conta, encanta!!!

    Curtir

  7. Bom dia amada!
    Essa história me fez chorar, me reportei ao tempo de criança porque onde morava não tinha crianças para brincar. Era num sítio com poucas casas e distantes.
    Meus brinquedos eram pedras, paus, folhas e frutos de árvores. Os amiguinhos os animais. Mais era feliz e não sabia, hoje as crianças não brincam mais de coisas tão simples que existem na natureza!
    Mesmo chorando amei a história. Ontem gerei o boleto do livro, mas não consigo imprimir e quero muito adquirir de preferência pelo preço da promoção.
    Um grande abraço.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s